A incrível coincidência nas caminhadas de Barty rumo a títulos do Grand Slam

Por Pedro Gonçalo Pinto - Janeiro 29, 2022

Ashleigh Barty viveu duas semanas absolutamente históricas e conquistou o Australian Open pela primeira vez na carreira. A número um do mundo tornou-se na primeira australiana a vencer o Happy Slam em 44 anos e tornou-se numa verdadeira heroína nacional. Ora, a verdade é que Ash utilizou a fórmula que lhe valeu o título em Roland Garros, em 2019, para celebrar a conquista em Melbourne Park. Estranho? Nós explicamos.

É que há uma incrível coincidência a unir esse primeiro Major da carreira de Barty com este que é o terceiro – festejou-se em Wimbledon pelo meio. Em Paris, a australiana teve na lista de escalpes colecionados rumo ao título as norte-americanas Jessica Pegula, Madison Keys, Danielle Collins Amanda Anisimova. Os nomes são todos familiares, não é? Pois, é que Barty derrotou exatamente as mesmas jogadoras agora no Australian Open.

Embora em rondas diferentes, Barty usou esta espécie de amuleto da sorte para sair por cima em Melbourne Park, com destaque para o facto de, desta feita, ter derrubado estas quatro norte-americanas sucessivamente rumo ao título. Por outro lado, em Roland Garros ainda bateu mais uma, no caso Sofia Kenin, a caminho da glória no Court Philippe Chatrier. Pode estar aqui uma ‘moda’ para Barty…

Pedro Gonçalo Pinto
Comentador Sport TV e ligado ao Jornal Record. Ténis acima de tudo.