Cressy: «Os jogadores têm medo de subir à rede, até o Djokovic»

Por José Morgado - Fevereiro 16, 2022
cressy

Maxime Cressy, jovem norte-americano nascido em Paris, encantou nas primeiras semanas da temporada, ao brilhar na Austrália com um estilo de jogo que já não se vê muito nos dias de hoje: o serviço-volley. As coisas não têm corrido tão bem nas últimas semanas Cressy, que perdeu na primeira ronda em Dallas e Delray Beach, mas o norte-americano orgulhosa-se pelo seu tipo de ténis peculiar.

“É óbvio que o ténis é bastante mais cansativo se passamos a vida no fundo do court, mas o que se passa hoje em dia é que a grande maioria dos jogadores tem medo de subir à rede. Durante uma troca de bolas há inúmeras oportunidades para subir à rede mas ninguém toma a iniciativa”, assumiu em entrevista ao ‘Yahoo’.

Cressy assegura que até o número um do Mundo não se sente seguro na zona mais adiantada do campo. “Até o Djokovic tem medo de subir à rede. Por isso é que alguns pontos dele têm 30 ou 40 pancadas quando ele durante o ponto tem inúmeras bolas curtas. O ténis precisa de uma reforma para voltar a ser apaixonante. O facto de o Medvedev classificar o meu ténis como aborrecido é um paradoxo porque sei que há muita gente que gostaria de ver mais jogadores como eu no circuito”.

 

Apaixonei-me pelo ténis na épica final de Roland Garros 2001 entre Jennifer Capriati e a Kim Clijsters e nunca mais larguei uma modalidade que sempre me pareceu muito especial. O amor pelo jornalismo e pelo ténis foram crescendo lado a lado. Entrei para o Bola Amarela em 2008, ainda antes de ir para a faculdade, e o site nunca mais saiu da minha vida. Trabalhei no Record e desde 2018 pode também ouvir-me a comentar tudo sobre a bolinha amarela na Sport TV. Já tive a honra de fazer a cobertura 'in loco' de três dos quatro Grand Slams (só me falta a Austrália!), do ATP Masters 1000 de Madrid, das Davis Cup Finals, muitas eliminatórias portuguesas na competição e, claro, de 13 (!) edições do Estoril Open. Estou a ficar velho... Email: josemorgado@bolamarela.pt