Nadal revela os dois encontros mais importantes da rivalidade histórica com Federer

Por Nuno Chaves - Setembro 27, 2022

O emocionante adeus de Roger Federer ao ténis continua a marcar a atualidade e quem parece ainda ter muito para dizer é Rafael Nadal, uma das pessoas que mais emoções demonstrou naquela noite épica, na O2 arena, em Londres. O espanhol deu mais uma entrevista ao Partidazo de COPE onde falou do fim do suíço, bem como da evolução da amizade e rivalidade entre os dois.

ADEUS DE FEDERER

Foi um momento de muitas emoções juntas. São muitos anos em que desfrutámos de um dos melhores desportistas de sempre, não só pelos seus títulos mas também pela forma em que conseguia. Na história, quase nunca se viu fazer algo de uma forma tão elegante, majestosa e com tanta facilidade. É difícil de repetir ganhar tanto e a fazer de uma forma tão bonita.

CRESCIMENTO DA RIVALIDADE

Como tudo, a rivalidade teve as suas etapas. Foi uma relação que desde o princípio foi boa e que com o passar dos anos se fortaleceu. Creio que as pessoas normais apreciam o rival, sempre e quando o rival é uma boa pessoa. Com os anos dá-se conta, pelo menos no nosso caso, que se viveu algo especial. Nós vivemos assim e creio que o mundo do ténis percebeu e graças a isso, algumas pessoas interessaram-se pelo nosso desporto. No final, a nossa forma de ver o mundo e rivalidade em si fez com que a nossa relação pessoal fosse, provavelmente, mais importante que a profissional.

EVOLUÇÃO DA AMIZADE

Desde há anos que a nossa amizade se fortaleceu, por diferentes motivos tivemos de estar mais unidos que nos primeiros anos e graças a isso fizemos coisas muito boas e bonitas. Além disso, o facto de estarmos juntos no Conselho de Jogadores, para tentar deixar o ténis numa melhor posição que quando chegámos, fez com que tivéssemos muitas conversas e muito contacto, muitas horas juntos. À parte disso, entendemos-nos bem. Às vezes temos opiniões diferente mas sempre com a intenção de melhorar o nosso desporto. Através disso e de todas as horas que passámos em court, criou-se um vínculo de amizade que creio que vai durar.

MELHOR DUELO FEDAL

Wimbledon 2008 foi o mais importante, por tudo o que significou e o Australian Open 2017 foi o segundo mais importante, já que depois de um tempo lesionados voltámos a posicionar-nos num lugar privilegiado.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.