Osaka: «Muita gente diz que estou de volta mas eu nunca me fui embora»

Por Pedro Gonçalo Pinto - Abril 1, 2022

Naomi Osaka continua um verdadeiro ressurgimento a caminho da sua melhor forma. Mais de um ano depois, a japonesa está de regresso a uma final – a primeira desde o Australian Open em 2021 -, sendo que agora terá pela frente a polaca Iga Swiatek, que vai subir ao topo do ranking WTA na segunda-feira. Certo é que Osaka não sente que esteja de volta… porque nunca foi a lado nenhum.

“Muita gente diz que estou de volta mas eu nunca me fui embora. A questão é que agora as coisas fazem sentido. Continuei sempre a ser jogadora, só que não jogava encontros. Houve situações em que perdi cedo, mas estive sempre bem. Alguns adeptos que não costumam ver ténis pensavam que não me estava a apurar para as rondas que esperavam, mas acho que nenhuma jogadora no Mundo quer enfrentar-me na primeira ronda. É uma questão de voltar ao ritmo”, destacou.

Osaka voltou ainda a relevar a importância do trabalho que fez com uma psicóloga depois de Indian Wells. “Falei com uma terapeuta e isso ajudou-me a ver as coisas de uma perspetiva diferente. Não vou dizer o que falei com ela, mas há coisas que me ajudaram muito. Sou uma pessoa que quer fazer tudo sozinha, por isso fiquei surpreendido por ter funcionado tão rápido. Este foi o meu melhor encontro em três sets desde que voltei, é curioso, mas mostrei que tenho confiança”, sublinhou.

Por outro lado, a antiga número um do Mundo falou das lágrimas no final do encontro. “Senti muita felicidade. Ganhar umas meias-finais significa muito para mim, até porque me sentia nervosa desde o aquecimento porque via que não me estava a movimentar bem. Queria colocar-me à prova neste torneio e acho que ela era a melhor adversário do Mundo para o provar. Não tinha boas recordações dos encontros com ela, então fiquei muito feliz por ter conseguido isto. Chorar não foi de uma sensação de alívio, foi felicidade pura”, rematou.

  • Categorias:
  • WTA
Pedro Gonçalo Pinto
Comentador Sport TV e ligado ao Jornal Record. Ténis acima de tudo.