Tiafoe: «Adoro voltar ao Estoril! Fiz final duas vezes mas os resultados nem importam»

Por Pedro Gonçalo Pinto - Maio 1, 2022
Créditos: Millennium Estoril Open

Frances Tiafoe despediu-se do Millennium Estoril Open como vice-campeão, tal como em 2018. No entanto, o norte-americano entusiasmou e foi o favorito do público, algo que o faz ter a certeza de que, se o torneio se mantiver numa data que lhe é favorável, vai sempre voltar.

ANÁLISE DA FINAL

Ele jogou bem hoje. Foi o melhor jogador. Claro que eu estava bastante morto… Estive um pouco lento e ele fez um bom trabalho a mover-me de um lado para o outro. Era decisivo ter feito aquele segundo break no primeiro set e ele ganhou uma vida nova depois disso. Mas dei tudo esta semana.

APOIO DO PÚBLICO

Não teria chegado à final sem o público. Sinto-me muito melhor agora, mas no início da semana estava bastante doente. Na primeira ronda pensei em retirar-me, o público ficou comigo e foi aí que começou. Nos quartos e meias foi simplesmente uma atmosfera louca, com ténis de alto nível. Fokina e Korda são grandes jogadores. Não merecei ganhar nenhum dos encontros, por isso se calhar fiz demasiado nesses encontros.

VOLTA… PARA OS PRÓXIMOS DEZ TORNEIOS

Certo para os próximos dez torneios? Especialmente a jogar nesta semana, adoro voltar aqui ao Estoril. Fiz final duas vezes, mas isso nem é o mais importante. É absolutamente louco, isto é divertido. Os resultados são irrelevantes, estou a bater pancadas loucas, pessoas aos gritos. É incrível. As pessoas ficam entusiasmadas por ver bom ténis, gostam de ser entretidas e o ténis é isto. O ténis é entretenimento. Espero que o dinheiro que gastaram esta semana tenha sido bem gasto.

DEU SORTE A BORGES E CABRAL

Duas vezes que cheguei à final e os portugueses ganharam. Acho que sou eu!

BALANÇO DE WAYNE FERREIRA

Wayne Ferreira estava feliz por causa da minha mentalidade, de manter a cabeça para baixo e trabalhar muito. A maneira como continuei a lutar foi importante. Não estava a servir muito bem, por exemplo, mas ficou muito impressionado por eu ter continuado sempre a competir e ter descoberto formas de ganhar. É importante encontrar formas de ganhar mesmo quando não estamos no nosso melhor. Ficar no encontro ajuda muito. Meti a cabeça para baixo e nunca deixei de lutar.

NOVO MELHOR RANKING

Top 25 é bom, um melhor ranking de carreira. Agora quero entrar no top 20. Quero aproximar-me do top 10. Há sete ou oito anos ando a jogar. Estou na segunda parte da minha carreira e quero dar um salto. Ainda há muito que tenho de crescer em cada semana. Quero estar mais perto do topo do jogo. Preciso de exibições melhores do que as de hoje.

TERRA BATIDA

Wayne Ferreira acha que sou jogador de terra batida. Quando estou completamente focado, qualquer superfície se ajusta a mim. Sei fazer slice, ir à rede, bater grandes shots. Está tudo na minha cabeça. Tem a ver com lutar e comprometer-me com as tarefas. Podem chamar-me jogador de terra batida!

MOMENTO DO TÉNIS NORTE-AMERICANO

O pessoal está a jogar grande ténis! Taylor quase top 10, Relly perto, John está desde sempre aqui. Taylor ganhou um Masters 1000, Reilly chegou a uma final, eu fiz quarta ronda ou quartos de Slams. Korda vai ser um grande jogador. Brooksby é estranho, mas vai ser um grande jogador também. Cada um tem o seu estilo e está a resultar. Vemos os americanos a jogar bem e não temos inveja de ninguém, é só bom sangue. Ganhamos confiança de todos. Espero que continuemos. Que não fiquemos satisfeitos com o que já temos.

Pedro Gonçalo Pinto
Comentador Sport TV e ligado ao Jornal Record. Ténis acima de tudo.